quarta-feira, 7 de agosto de 2013

7 atitudes que contribuem para o fracasso da sua carreira

É certo que ninguém procura intencionalmente o fracasso na carreira. Mas durante a trajetória profissional alguns aspectos comportamentais podem contribuir para o sucesso ou para enterrar as chances de alcançá-lo.

Estar há alguns anos sem promoção, não ser chamado a fazer tarefas importantes, ser excluído de reuniões e confraternizações indicam que algo não vai bem no escritório.

EXAME.com consultou especialistas para levantar quais atitudes são as mais perigosas e prejudiciais para a carreira no ambiente corporativo. O que as pessoas podem estar fazendo de errado e no que isso pode resultar em uma curva descendente na profissão? Confira o que deve ser evitado a todo custo, na opinião dos entrevistados:

1- Negativismo

Quem não se lembra da hiena Hardy, personagem do clássico desenho animado Leão da Montanha, produzido pela Hanna Barbera? “Ó céus, ó vida, ó azar. Eu sei que não vai dar certo”, repetia a pessimista hiena durante boa parte da animação.
“É aquela pessoa que só enxerga o lado escuro das coisas”, diz Gerson Correia, sócio da Talent Solution. De acordo com o especialista, é interessante contar com pessoas que tragam pontos de vista diferentes, mas que não sejam o tempo todo negativas.
“As pessoas negativas têm dificuldade de ir à frente, são resistentes, têm medo de avançar”, lembra Matilde Berna, diretora de transição de carreira da Right Management. “Os profissionais negativos acabam ficando isolados, os colegas rejeitam”, diz Correia.
E, se o networking é fator que impulsiona a carreira, o isolamento pode minar as suas chances de investir na sua agenda de contatos. “Essas pessoas têm dificuldades com a rede de relacionamentos”, diz Matilde.

2- Não cumprir com a palavra

Em ambientes altamente competitivos, dominados por prazos e metas, cumprir o que se propõe a fazer é essencial. Prometer mas não produzir os resultados esperados é algo que vai, sem dúvida, minar suas chances de sucesso.
“É o profissional que fala uma coisa e faz outra. As pessoas ficam irritadas com comportamentos deste tipo”, diz Correia.
O risco é a falta de confiança que o profissional que não cumpre o que diz ou mente cria ao redor dele, na opinião de Matilde.
“Seja qual for a carreira você terá que lidar com clientes, sejam eles externos ou internos, ou seja, dentro da própria empresa, e, para mantê-los, você precisa inspirar confiança”, diz a especialista.

3- Arrogância

Achar que sempre está certo, não aceitar críticas e desprezar as opiniões dos outros também um prato cheio para o fracasso, na opinião de Correia.
“Ser participativo, envolver o grupo, assumir que está sempre aprendendo e que também pode ensina é de grande importância no ambiente corporativo”, diz Matilde.
Julgar-se melhor do que seus colegas não vai trazer nenhuma vantagem profissional. Pelo contrário, as chances de você ganhar uma torcida “do contra” são grandes. “O comportamento arrogante estimula que os outros torçam pelo seu insucesso”, diz Matilde. 

4- Não saber trabalhar em equipe

Com as empresas cada vez mais multiculturais, com pessoas de todos os jeitos e costumes, saber trabalhar bem em equipe é algo muito valorizado pelas lideranças. “Quem não trabalha bem em equipe acaba criando problema para a empresa, e empresa alguma quer problema”, diz Matilde.
“Em empresas que têm uma cultura de coletividade, de um ajudar o outro a pessoa que não sabe trabalhar em equipe vai fracassar”, diz Correia.
Para Matilde, o fato de não trabalhar bem em grupo isoladamente, não é determinante para o fracasso. “Mas aliado aos outros comportamentos, como a arrogância e não cumprir o que promete, sim”,diz.

5- Falta de posicionamento

Gerenciar as demandas e, muitas vezes, ser realista a ponto de saber dizer não é outro fator que pode ter como resultado o fracasso, segundo os especialistas. “Esse gerenciamento da demanda, da expectativa em relação a ela, é uma arte”, diz.
Quem sempre diz amém transmite uma ideia de que não tem opinião própria. “É importante prestar atenção na questão da postura e da habilidade de negociação”, diz Matilde. Um dos riscos deste tipo de atitude é assumir mais do que se é capaz de fazer. “A pessoa pode perder o foco”.
Mesmo que o profissional dê conta de tudo magistralmente, a falta de posicionamento pode transparecer fragilidade. “E é essa imagem que pode destruir a carreira”, diz Matilde.

 6- Desconhecer seus pontos fortes e fracos
O autoconhecimento é fundamental para saber até onde você pode chegar e o que ainda precisa melhorar. “Quem está atento a isso, e sabe o que faz bem e o que ainda não faz, busca se desenvolver”, diz Matilde.
A atenção deve estar direcionada às suas competências e habilidades e também à demanda do mercado de trabalho, ressalta a especialista. “Vemos isso acontecer com carreiras e também com empresas. A Kodak, por exemplo, é uma empresa que demorou muito a perceber que o caminho era a fotografia digital”, diz a especialista citando a empresa que pediu concordata no início deste ano. 

7- Competitividade excessiva

O espírito competitivo é natural e saudável para o ambiente corporativo, mas em excesso pode acabar se voltando contra a sua carreira.
Isso acontece porque o “vencer a qualquer custo” muita vezes descamba em uma postura antiética.
“A competitividade a ponto de ficar puxando tapete dos outros é muito mal vista e prejudica a carreira de qualquer profissional”, diz Matilde.

By Revista Alfa

Total de visualizações de página